EmpreendedorismoEquipamentos

Administrando bem uma empresa

Buscando uma melhor qualidade de vida e um retorno financeiro mais interessante, boa parte da população brasileira sonha em abrir a sua própria empresa.

No entanto, por mais que ser o próprio chefe seja uma ideia sedutora na teoria, na prática, ser um administrador é extremamente complexo.

Contudo, o fato de essa ser uma missão difícil não significa que ela seja impossível: é possível se qualificar, buscar consultorias e se informar a respeito das melhores práticas de administração para que um negócio seja bem-sucedido.

De preferência, isso deve ser feito antes que a empresa efetivamente comece suas operações.

Em busca de dicas sobre como gerenciar um estabelecimento de forma eficiente? Então continue lendo este artigo e confira algumas dicas:

Conheça o negócio a fundo

O proprietário de um estabelecimento deve conhecê-lo como ninguém. Isso significa que, quando ele estiver na fase de planejar a abertura da empresa, toda a sua estrutura deve ser documentada.

Para que esse procedimento seja feito da maneira correta, o empreendedor pode se basear na teoria organizacional da administração.

Ela prega a análise de um negócio com base em certos níveis de estudo que analisam:

  • O macro ambiente (estudo do ambiente);
  • Organizacional (estudo do interior da empresa);
  • Micro ambiente (estudo dos indivíduos que compõem a empresa).

Na prática, isso significa documentar aspectos chave da composição do negócio, tais como:

  • Processos;
  • Quadro de funcionários;
  • Fontes de arrecadação;
  • Quem são os concorrentes e como agem.

Munido dessas informações, o empreendedor se torna capaz de verificar quais aspectos da organização estão funcionando como devem, e quais processos precisam de adaptações.

Estude as diferentes teorias administrativas

Essa teoria, entretanto, é apenas uma das muitas que existem no meio administrativo. Portanto, é altamente recomendável que o empreendedor estude-as a fundo.

Por mais que seja difícil seguir totalmente o que prega cada uma delas, ele pode obter insights importantes para a gestão dos negócios.

Felizmente, esse tipo de informação é simples de ser obtido: é possível encontrar livros que explicam as teorias administrativas de forma didática e simplificada, de modo que até profissionais de outras áreas possam entendê-las.

Contudo, também é preciso ter cuidado, algumas delas são tidas como ultrapassadas e seus princípios não são mais usados para fazer a administração de estabelecimentos.

Assim, recomenda-se que o empreendedor se baseie nas que ainda são tidas como válidas pelos pesquisadores da área, como a teoria de sistemas.

Como o seu próprio nome diz, ela consiste em identificar e analisar os diferentes sistemas no interior de um negócio, de modo a encontrar maneiras para que eles sejam mais eficientes.

Separe finanças pessoais das corporativas

É perfeitamente possível que uma empresa que vende muito quebre de uma hora para a outra. Normalmente, isso acontece por conta de um descontrole financeiro.

Isso pode ocorrer caso os donos se animem com os bons resultados, investem mais do que deveriam e o caixa do negócio fica prejudicado.

Além disso, também há outra situação muito comum no meio empresarial como sócios que não separam o dinheiro pessoal daquele que pertence à empresa.

Com isso, a gestão da verba fica mais difícil, fazendo com que o negócio corra um sério risco de falência.

Para evitar essa situação, recomenda-se que os sócios definam uma remuneração fixa como compensação pelo seu trabalho (pro labore) e que as sobras sejam reinvestidas no estabelecimento.

À medida que o estabelecimento crescer, o valor pode ser ajustado.

Tenha um planejamento estratégico

Ter um negócio, mas não estabelecer metas e indicadores de desempenho para ele é como estar em um navio à deriva.

Afinal, os proprietários têm que dispor de maneiras de averiguar se a empreitada está ocorrendo de maneira bem-sucedida.

Para que isso seja possível, é fundamental investir em um planejamento estratégico empresarial. Trata-se de um documento onde os donos do negócio fixam metas para o longo prazo e definem como chegar a elas.

Deste modo, eles saberão em quais ações centrar seus esforços, evitando que trabalhem em prol de algo que não trará bons resultados ao negócio.

Vale ressaltar que o plano não deve ficar esquecido no fundo de uma gaveta. Muito pelo contrário, ele deve ser acompanhado e revisto periodicamente.

É possível mudar as metas caso o cenário da empresa também mude, de modo a adaptar-se à nova realidade.

Caso as metas não estejam sendo atingidas, os sócios podem usar as informações para averiguar o porquê e adaptar seus processos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *