DicasDiversãoSaúde

Como saber se seu filho é viciado em videogame – e como ajudar

Caso você desconfie que seu filho tem um provável vício em videogame, há várias formas de poder ajudar. Durante sete anos, meu vício em jogos sugou a alegria da minha vida e me impediu de aprender habilidades sociais importantes.

Se você suspeitar que seu filho (ou outra pessoa) é viciado em videogame, eu estou aqui – como um ex-viciado em videogame – para lhe dizer que eles precisam da sua ajuda.

Antes de entrar na minha própria história e nas diferentes maneiras pelas quais você pode ajudar, primeiro você precisa entender o que significa ser viciado em videogame.

Primeiro, um fanático em jogos não depende de um certo tipo de sistema ou mesmo de uma certa quantidade de tempo.

Uma hora por dia em um smartphone, tablet, console ou computador é mais do que suficiente para ter um vício completo.

Segundo, seu filho poderá jogar videogame por horas seguidas sem se tornar viciado.

Eu tenho vários amigos que são assim; eles podem pegar ou largar. Os viciados em videogame, por outro lado, não são os mesmos. O jogo os consome.

Não importa onde eles estejam ou com quem estejam falando, os pensamentos sobre o jogo surgem em sua mente: “Quando posso jogar de novo?

Talvez se eu usar essa técnica quando estiver jogando de novo, eu me torne o melhor.”

Se eu sair mais cedo, posso ter uma hora a mais para jogar.”

O êxtase que eles sentem dos jogos significa que todo o resto da vida é simplesmente menos alegre.

Quando eu era viciado em jogos, todas as coisas que eu gostava pareciam menos interessantes. 

Era normal, por exemplo, permanecer no andar de baixo e jogar durante a maior parte do dia de Natal, o que fiz uma vez, enquanto o resto da minha família passava um tempo no andar de cima uns com os outros.

Esse vício pode acontecer com qualquer um. Na época do meu vício, tirei notas decentes, fiz várias amizades sólidas como um bom filho e mantive outros hobbies.

Em suma, ser viciado em um videogame tem o efeito final de afastar você de tudo de bom na vida, e apesar do que eu teria argumentado na época, foi realmente um período sombrio na minha vida.

Por que alguém ficaria obcecado em um videogame, se há tantas outras coisas?

Para mim, tudo se resumia à autoestima. 

Quando derrotei alguém no StarCraft, Tribes, Age of Empires II ou em qualquer outro jogo em que eu era viciado, recebi uma injeção instantânea de autoestima, e pensava que pelo menos em alguma coisa, era bom.

Sei que pode não fazer todo sentido, mas confie em mim: essa é uma mensagem poderosa, especialmente para pessoas como eu, que têm um forte medo do fracasso.

Seu filho pode ser viciado em videogame se exibir os seguintes sinais:

  • Fala sobre o(s) jogo(s) deles incessantemente;
  • Jogar horas a fio (joguei por até 14 horas diariamente);
  • Fica na defensiva quando alguém fala do hábito excessivo de jogar;
  • Fica explosivo quando alguém pede para parar;
  • Sacrifica as necessidades básicas (por exemplo, sono) para jogar;
  • Oculta ou minimiza o tempo gasto em jogos;
  • Parece preocupado, deprimido ou solitário.

Se você viu que seu filho provavelmente tem um vício, existem várias maneiras de ajudá-lo. Você pode se informar em sites.

Depois de revisar as opções de tratamento, como terapeutas ou aconselhamentos, é preciso dar o passo ousado de realmente intervir.

A boa notícia é que essa dependência pode ser interrompida.

Estou livre do meu vício agora há quase uma década e, embora ele ainda levante sua cabeça feia de vez em quando, consigo me controlar.

Como o processo de intervenção pode ser muito difícil, dependendo da gravidade do vício, quero lhe dar alguns fatores motivadores extras para prosseguir com ele. 

Os estudos estão começando a mostrar que o excesso de jogos (aproximadamente 3 horas por semana) pelos jovens está relacionado ao aumento dos níveis de depressão, ansiedade e fobia social, que podem durar anos no futuro.

Como pensamento final, eu gostaria de reconhecer o fato de que nem todos os jogos são ruins e nem todos são propensos ao vício. 

Meu objetivo aqui não é demonizar os jogos, pois reconheço plenamente que os jogos também trazem alguns benefícios, como a cultura de aceitação da comunidade de games e os benefícios cognitivos dos jogos educacionais para as crianças.

Porém, para um maníaco por videogame, as desvantagens de seu vício superam qualquer benefício potencial. Se seu filho tem dependência de videogame, considere ajudá-lo a resolver.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Especial Saúde, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *