Empreendedorismo

Conheça os materiais para melhorar a sua lanchonete

A lanchonete é um modelo de negócio que, quando o serviço é prestado com qualidade, tem grande potencial de estabilização e lucro.

Primeiro, porque trata-se de um negócio que atende a todos os públicos: rico, pobre, estudante, profissional liberal ou quem trabalha das 8h às 18h.

Todo mundo frequenta uma lanchonete de sua preferência, seja para fazer um lanche rápido, para fazer um almoço fora de hora ou ainda para pegar algo para comer depois.

Para abrir a sua própria lanchonete, é necessário cuidar de alguns detalhes para que tudo saia conforme o planejado e seu negócio faça sucesso. Dessa forma, é possível notar a necessidade de compra de equipamentos, como uma coifa inox, por exemplo.

Alguns itens indispensáveis na cozinha de uma lanchonete são:

  • Chapa a gás;
  • Liquidificador;
  • Fritadeira;
  • Espremedor de frutas.

Como abrir uma lanchonete?

O primeiro passo é escolher onde a lanchonete será instalada.

É indicado observar se o local tem um fluxo de pessoas razoável, se fica em um local onde há outros estabelecimentos de alimentação para levar em conta a concorrência, se tem fácil acesso, se há lugar fácil para se estacionar ou ainda se fica próximo a alguma estação de embarque e desembarque de ônibus.

Depois da localização, é necessário pensar nas condições da instalação: o local precisa de reforma? Há pontos de energia suficientes?

A área da cozinha tem o encanamento e esgotamento necessário? É importante colocar tudo na ponta do papel na hora do planejamento.

Depois de escolher as instalações, como a compra de uma coifa industrial, o próximo passo a resolver a parte burocrática do seu negócio.

É imprescindível registrar a sua empresa na Junta Comercial do Estado ou do Município.

Na sequência, deverá ser providenciado o alvará de funcionamento da prefeitura da cidade e do Corpo de Bombeiros, para que, além de legalizada, a lanchonete esteja operando de forma segura e conforme todas as normas de segurança necessárias.

Além de todos estes procedimentos, caso já não haja, é necessário registrar a empresa junto à Receita Federal, gerando assim um Cadastro Nacional de Pessoal Jurídica (CNPJ).

Quando há funcionários, todos eles devem estar devidamente cadastrados junto à Previdência Social para que o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) seja recolhido no âmbito do Instituto Nacional de Seguridade Social.

Como serão comercializados produtos alimentícios, é preciso estar cadastrado também na Secretaria da Fazenda, para que as notas fiscais sejam emitidas e o ICMS seja recolhido da forma correta.

Por se tratar de um serviço alimentício, é preciso alvará da Vigilância Sanitária do município. Depois de toda a parte burocrática estar oficializada, é hora de organizar os produtos e preparar para vendê-los.

Por ser uma empresa de comércio de alimentos, o sabor e a qualidade do que será vendido ali vai ser o diferencial.

Mas, além disto, é possível utilizar algumas estratégias, como expor os alimentos em estufas bem iluminadas, destacando os produtos e despertando os sentidos, ou ainda agregar um lanche ao outro: oferecer comidas de sal, complementando com sobremesas atraentes pode ser um caminho de ida sem volta para um cliente que frequente o local.

Container lanchonete

Em uma época em que o Brasil vive o advento dos food parks nas principais cidades, montar um container lanchonete pode ser uma alternativa criativa e mais acessível para quem pretende ter o seu empreendimento.

O valor de um contêiner pode variar de acordo com o estado, conforme a existência ou não instalações hidráulicas, elétricas ou ainda se possui itens de decoração ou acabamentos especiais de iluminação. Em média, com cerca de R$ 10 mil é possível ter o próprio contêiner para abrir uma lanchonete container.

Antes de qualquer coisa, é preciso saber onde a lanchonete em contêiner será instalada. Há espaços como os food parks, reservados para este tipo de empreendimento.

Além disto, há municípios que permitem que o contêiner seja colocado em áreas específicas de parques e vias, desde que estejam de acordo com as legislação vigente. A venda de container é feita para diversos fins.

Como o espaço de um contêiner é mais compacto do que o de uma loja fixa, muitas vezes é preciso ousar na criatividade para que todos os serviços sejam prestados de forma correta.

Por exemplo, ao invés de mesas para que os clientes sirvam-se, uma alternativa é fazer uma bancada no próprio contêiner e, junto a ele, agregar banquetas.

Junto a isso, podem ser utilizadas estratégias legais de comunicação, como um cardápio legal e atrativos visuais, como uma boa iluminação, estufas mais compactas que sirvam para expor os produtos de forma visível. Ainda pensando nesse modelo de container para outras funções, existe o container casa. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *