ComércioEmpreendedorismoEmpresas

Dicas para evitar cair em golpes virtuais

Quem não tem medo de ter seus dados e informações online roubadas? Cair em golpes virtuais tem se tornando mais comum do que se pode imaginar. Por dia, inúmeras pessoas têm suas informações extraviadas por terceiros, através de links maliciosos. 

Conforme dados apresentados pela TechTudo, durante a pandemia, o número de golpes virtuais aumentou. Mais de 2 milhões de vítimas foram feitas no Brasil.

Pensando nisso, preparamos esse conteúdo para te ajudar a se proteger no ambiente online e não ser mais uma vítima de cibercriminosos. Continue a leitura!

Ataque hacker

É importante que você saiba que, desde que usemos a internet, estamos suscetíveis a cair em diversos tipos de golpes. Por isso, é essencial que você saiba se proteger e garantir a segurança da informação da sua empresa.

Uma investida cibercriminosa ocorre quando um terceiro manipula o funcionando habitual de um computador e seu sistema operacional. 

O intuito primordial é roubar informações privilegiadas ou sequestrar dados de valor inestimado para o usuário ou organização e, assim, realizar extorsões. Ou seja, pedir dinheiro em troca das informações roubadas.

Dessa forma, os golpes virtuais podem destruir uma empresa, trazer danos irrecuperáveis e provocar o gasto de quantias altas. Sendo assim, veja abaixo maneiras de se precaver contra golpes virtuais.

1 – HTTPS

O primeiro passo que você pode dar é verificar sempre se um site é seguro. Como fazer isso? 

Observe ao clicar em um site se ele possui HTTP (Hypertext Transfer Protocol). Refere-se a um protocolo para envio de dados entre o seu navegador e o site que estiver visitando.

Assim, quando existe a letra “S” em HTTPS, significa que é um site seguro. Ou seja, “S” de “seguro”. 

Portanto, quando acessar um website e ver o HTTPS (cadeado verdinho na URL), quer dizer que toda comunicação feita dentro dele será criptografada, para que criminosos não consigam roubar informações sigilosas. 

Como, por exemplo, senha de cartões de crédito, senhas de banco ou outros dados. Por isso, sempre verifique se o site em que você fará alguma transação possui o certificado de segurança SSL.

2 – URL do site

Antes de clicar em um link verifique se o site para onde esse link te levará é seguro. Como fazer isso? Sem clicar no link, colocando apenas o ponteiro do mouse sobre ele. Mas não clique, só coloque por cima. 

Caso você esteja usando o Firefox ou Chrome, no canto esquerdo da tela aparecerá a URL (Uniform Resource Locator) mostrando para qual hospedagem de site esse link está apontando. Veja se realmente condiz com o link que deseja acessar.

Verifique também a grafia das URLs. Veja se a escrita está grafada corretamente, pois os criminosos virtuais aproveitam da distração dos usuários para trocarem apenas algum caractere na URL .

O objetivo é enganar e fazer com que a pessoa acesse sites e forneça seus dados e informações sigilosas sem querer, uma vez que o usuário, quando não percebe tal erro na URL, pensa que o site está correto e faz suas transações online.

3 – Antivírus e AntiSpam

Uma dica de ouro é ter em seus computadores e dispositivos móveis um antivírus e AntiSpam instalados.

Atente-se para instalar um antivírus que realmente proteja suas informações que dispare alertas em caso de algum link infectado ou download suspeito.

Além disso, em empresas onde os colaboradores têm acesso ao wi-fi corporativo para conectar seus dispositivos pessoais, é importante que sejam instruídos a cuidarem da proteção de seus equipamentos. 

Uma vez que, um celular com vírus, ao se conectar em uma rede de internet, também poderá infectar os demais dispositivos que estejam utilizando a mesma conexão.

Quanto aos e-mails recebidos, ao ter um serviço de AntiSpam, as chances de que um computador ou sistema seja invadido ou danificado por alguma ameaça digital diminui drasticamente. 

Visto que o AntiSpam filtra as mensagens que chegarão na caixa de entrada do usuário, reduzindo, assim, o risco de cliques em links maliciosos ou download de anexos contaminados.

Mas claro que deve haver bom senso e conscientização de toda a equipe para que evitem abrir e-mails de origem suspeita ou com títulos sensacionalistas.

4 – Redes sociais

Outro canal onde se deve tomar muito cuidado são as redes sociais, já que os usuários tendem a disponibilizar informações íntimas sobre estilo de vida e dados pessoais.

Quando golpistas sociais, ou melhor, o engenheiro social, consegue acesso à essas informações confidenciais ou áreas restritas, poderá se aproveitar para aplicar um golpe aos usuários.

Pois será possível que ele conheça melhor o seu alvo através das informações sobre a vida, e-mails, telefones, rotina, amizades, comportamentos e hábitos dos usuários. Isso permite que ele aplique golpes personalizados e que mexa com o emocional do usuário.

Por isso, quanto menos se expor, melhor. Tome cuidado com as informações que você compartilha em suas redes sociais.

Agora que você já sabe algumas dicas de como se proteger no meio online, basta aplicá-las no seu dia a dia e na rotina da sua empresa. 

É especialmente importante realçar tais medidas preventivas também aos funcionários e estabelecer uma política de segurança para a empresa, visando que todos sigam e se cuidem.

 

Artigo produzido por Maria Alice Ferreira – Criadora de Conteúdo no grupo Brasil Cloud.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *