Segurança

Você entende a funcionalidade de cada tipo de extintor?

Os Extintores são equipamentos de segurança com a finalidade de eliminar ou controlar incêndios principiados emergencialmente. Poucos sabem como ele foi inventado, antes de vê-los aos montes em escritórios com Baia para call center em todos os lados de um andar de um grande edifício.

O médico nascido na Alemanha, Dr. Fuchs, em 1734, inventou bolas de vidro, repletas de uma solução salina, feitas para serem arremessadas ao fogo.

O modelo automático, que podemos encontrar hoje no mercado, dispõe da capacidade de apagar desde um simples incêndio provocado, por exemplo, em uma Lixeira para escritório até prevenir um de grandes proporções, foi inventado pelo militar inglês George Mandy, devido a um incêndio ocorrido em 1813, em Edimburgo, no qual as mangueiras não alcançavam aos andares mais altos do edifício que rapidamente se espalharam pelo quarteirão.

Mas foi somente em 1816 que ele criou um aparelho cilíndrico de cobre, com capacidade de suportar até 15 litros de um fluído antichamas, misturado a uma solução de potassa cáustica ao ar comprimido.

De modo geral, os extintores são seguros, porém requerem constante atenção a sua manutenção. Podemos entender melhor a seguir os agentes químicos embutidos nessa fórmula mágica e salvadora.

É possível fazer a recarga de extintores?

Tão importante quanto ter um desses equipamentos é a Recarga de extintores regularmente, dentro do prazo estabelecido pelo fabricante, como vemos abaixo:

  • Extintores de água têm validade de até 1 ano para recarga e 5 anos para teste hidrostáticos;
  • Extintores de dióxido de carbono, o mesmo para água, porém é obrigatório verificar a cada 6 meses de peso;
  • Extintores de pó químico variam. O Valor recarga extintores pode modificar conforme o fabricante.

Como os extintores são compostos?

Diversas substâncias químicas compõem diferentes propriedades na ação de combate e prevenção ao incêndio, dentre os mais comuns podemos destacar:

  • Água: pressurizada e usada para resfriamento. Ideal para madeiras, papéis, borrachas e tecidos;
  • Bicarbonato de sódio: o mesmo que “pó químico BC”. Ideal para líquidos inflamáveis, gases e aparatos elétricos;
  • Fosfato monoamônico: o mesmo que “pó químico ABC”. Ideal para sólidos, líquidos, gases e elétricos;
  • Dióxido de carbono: também chamado de gás carbônico retira o oxigênio do ambiente em chamas. Ideal para líquidos e gases e materiais condutores de eletricidade;
  • Espuma: utilizado em incêndios de líquidos e sólidos.

Como diferenciar os tipos de extintor?

É possível notar também as classificações indicadas por símbolos nos extintores, capazes de indicar as classes de incêndios e como devemos usá-los.

Grupos de civis ligados a Brigadas de Incêndio, responsáveis pela Segurança do Trabalho, por exemplo, devem conhecer.

  • CLASSE A (Triângulo verde) – sólidos (madeira e papel)
  • CLASSE B (Quadrado vermelho) – líquidos e gases inflamáveis
  • CLASSE C (Círculo azul) – equipamentos elétricos
  • CLASSE D (Estrela amarela) – metais combustíveis
  • CLASSE K (Hexágono preto) – óleos e gorduras

A instalação desses equipamentos deve considerar a distância máxima percorrida desde o local do incêndio até o extintor. Em lugares onde o risco é maior, por exemplo, a distância máxima é de 10 metros e locais de menor risco, 25 metros.

Eles devem ser instalados no chão, com um apoiador apropriado, ou na parede. Estes locais devem ter placas de sinalização e caso o piso do local seja rústico, deve conter marcação também no piso.
Exigências também são aplicadas para os automóveis, que devem ter extintores portáteis, ideiais para prevenir princípios de incêndios ocorridos na parte mecânica ou elétrica do carro.

Como usar o extintor?

Por mais que existem diferentes tipos, o método para utilizá-los é praticamente o mesmo. Vamos conferir a seguir os passos para o funcionamento de um extintor:

  1. Puxe o lacre;
  2. Depois, aponte a mangueira para o foco do incêndio e pressione a alavanca (haste de ativação) para baixo, para ativá-lo;
  3. Na outra ponta da haste, a mais afiada, ela desce e abre o tubo que libera a substância de dentro do cilindro. Se não pressionar, a abertura ficará fechada;
  4. Agite o extintor de um lado para o outro. O jato dura em média 60 segundos, por isso são ideias para incêndios pequenos.

Atenção aos locais onde irão instalar os extintores, evitando áreas sem cobertura, sujeitas às condições climáticas.

Procure sempre o Corpo de Bombeiros de sua cidade ou região para saber mais sobre palestras e cursos apropriados.

Se sua empresa é de pequeno, médio ou grande porte, existem programas específicos de treinamento para seus funcionários, de modo que possam aperfeiçoar o uso deste tipo de equipamento, que pode salvar vidas, e evitar catástrofes de grandes proporções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *